PRINCIPAIS AÇÕES

Assumiu o cargo de Secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento e de imediato convocou todas as entidades de classe – produtoras e trabalhadores rurais – a estarem juntas nas discussões dos problemas que a agropecuária mineira enfrenta. Anunciou que caberá ao Conselho Estadual de Política Agrícola, a partir  dos encontros regionais, definir a política a ser seguida, após o diagnóstico a ser feito em cada uma das regiões mineiras, para levantamento de problemas e potencialidades.

Esabeleceu a criação do grupo de trabalho integrado de forma paritária por representantes do governo estadual e da iniciativa privada para avaliar a tributação que incide sobre os principais produtos, insumos máquinas e implementos agrícolas em Minas Gerais.

Participou de reuniões em São Paulo, com a presença dos Secretários de Agricultura dos Estados do Paraná, Francisco Eduardo Oliveira Victor e São Paulo, Antônio Duarte Nogueira, Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, Ministro de Estado da Agricultura, Dr. Roberto Rodrigues, para estagnar a MSC – Morte Súbita dos Citros – doença que está afetando os laranjais de Minas, São Paulo e Paraná

Estabeleceu a criação do grupo de trabalho integrado de forma paritária por representantes do governo estadual e da iniciativa privada para avaliar a tributação que incide sobre os principais produtos, insumos máquinas e implementos agrícolas em Minas Gerais.

Lançou a Força-Tarefa de Combate a Morte Súbita dos Citros , “doença que estava afetando os pomares de laranja. Os trabalhos de varredura contra a doença tiveram início no município do Prata, situado na região do Triângulo Mineiro, onde vários município já constatavam a presença da doença, dentre eles Frutal, Uberlândia e Comendador Gomes”.

Presidiu a primeira reunião do Conselho Estadual de Política Agrícola Cepa) e anunciou a principal base do trabalho de recuperação da agricultura e da pecuária: o programa de conferências regionais em todo o Estado com o objetivo de identificar os obstáculos ao desenvolvimento sustentável da produção rural.

Durante a solenidade dos 100 dias do governo Aécio Neves, participou da assinatura do “Acordo do Algodão”, firmado com tosos os segmentos envolvidos na cadeia produtiva do algodão para promover a recuperação econômica do agronegócio mineiro.

Deu início ao trabalho de mobilização e de integração com todos os segmentos civis e do setor produtivo através de reuniões municipais e regionais com o objetivo de avaliar e discutir as oportunidades e problemas regionais afetos ao agronegócio mineiro. As Conferências regionais foram marcadas  para serem realizadas nos municípios de Montes Claros (Norte de Minas), Teófilo Otoni (Jequitinhonha e Mucurí), Governador Valadares (Rio Doce), Viçosa (Matas de Minas), Varginha e São Sebastião do Paraíso (Sul de Minas), Sete Lagoas (região Central), Divinópolis (região Centro-Oeste), Unaí (Noroeste de Minas), Patos de Minas (Alto Paranaíba), Uberlândia e Uberaba (Triângulo Mineiro).

O Governador de Minas Gerais, Aécio Neves, reativou o Conselho Estadual de Política Agrícola – Cepa, com o objetivo de auxiliar na definição das ações e de instrumentos determinantes à promoção da política pública para o agronegócio nos próximos anos em Minas Gerais.

Iniciou a elaboração de um amplo diagnóstico do agronegócio mineiro, realizando conferências regionais simultaneamente em 18 municípios pólos do Estado, mobilizando produtores, Prefeituras, Câmaras Municipais, lideranças comunitárias, cooperativas, sindicatos rurais, instituições públicas e outros agentes do agronegócio.

Participou, juntamente com toda equipe de Governo, no Palácio das Mangabeiras, da abertura do Seminário de Planejamento Estratégico do Estado de Minas Gerais.

O Governador Aécio Neves definiu as dez prioridades que norteariam o planejamento de médio e longo prazo de seu governo e  ressaltou a  prioridade do desenvolvimento do agronegócio para a recuperação econômica do estado de Minas. Além da segurança, infra-estrutura, educação, saúde e habitação, o fortalecimento do agronegócio foi inserido como uma das prioridades para fomentar o desenvolvimento econômico estadual de forma regionalizada e com mecanismos que não comprometeriam  as finanças estaduais.

Participou da reunião Ordinária do Fórum Nacional de Secretários de Agricultura, em Brasília. O encontro teve como objetivo discutir as atividades desenvolvidas  pelo Ministério da Agricultura e fontes de financiamento disponíveis e possíveis a serem implantadas.

Realizou no Estado de Minas Gerais a  I Conferência Estadual Sobre Políticas Publicas para o Desenvolvimento do Agronegócio Mineiro, com a participação de todos os municípios do Estado e representantes do setor agropecuário. Esta conferência foi resultado de mais de 700 reuniões municipais, onde foram levantadas e mapeadas as vocações e deficiências de cada região do Estado. A partir deste trabalho, Odelmo acredita que, com responsabilidade,  o setor  estará apto a alavancar o agronegócio no Estado –  19/05/2003.

Assinou Convênio entre a SEAPA/IMA/VALÉE – Projeto para Formação de Agentes de Saúde Agropecuária nos vales do Mucuri e Jequitinhonha.

Promoveu  reunião com todo o setor Atacadista de Uberlândia e o  Secretário de Desenvolvimento Econômico, Dr. Wilson Brumer, onde foram discutidos problemas do setor atacadista e couro.

Promoveu o encontro  do Governador Aécio Neves com o Setor da Cafeicultura Mineira, onde foram apresentadas as Medidas Emergenciais para a Cafeicultura.

Participou da Assinatura dos Termos de Adesão ao Programa “Cartão Alimentação”, entre o Governo de Minas Gerais e 38 Municípios mineiros, no Palácio da Liberdade.

Participou do 1º Dia de Campo da AMIPA – Associação Mineira dos Produtores de Algodão –   Fazenda Farroupilha II – Presidente Olegário.

O Pronaf começou a  distribuir R$ 9 milhões em Minas por intermédio de cinco territórios. A seleção dos territórios, nos quais os pequenos agricultores serão beneficiados, foi feita durante reunião do Conselho, no auditório da Secretaria de Agricultura, sob a presidência do secretário Odelmo Leão.

Empossou  os novos membros do conselho diretor do Programa Mineiro de Incentivo à Produção  de Aguardente de Cana ( Pró-cachaça), com objetivo de incentivar  e organizar o setor produtivo  da cachaça mineira e apoiar  a formação de cooperativas aumentando a escala de produção.

Criou um mutirão denominado  “Cruzada da Agricultura”. O objetivo do movimento, que foi  realizado com a participação dos órgãos vinculados à Seapa (Emater, IMA, Epamig e Ruralminas), buscou possibilitar o acesso dos produtores aos recursos, no menor tempo possível, para garantir o plantio de uma grande safra no ano agrícola.

Assinou convênio entre a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento e  o Instituto Cultural Newton Paiva (Unicentro), com  duração de dois anos para permitir   a participação de estudantes e professores nas mais diversas atividades do Sistema Operacional da Agricultura (IMA, Emater, Epamig e Ruralminas).

Lançou  oficialmente o programa “Minas Terras do Agronegócio”.

Como presidente do Conselho Estadual de Política Agrícola (Cepa), enviou ao Conselho de Política Ambiental (Copam), da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, diversas propostas de alteração na legislação de licenciamento ambiental em benefício da atividade avícola em Minas.

Em solenidade realizada na Assembléia Legislativa, recebeu das mãos do vice-presidente da Casa, deputado Rêmolo Aluise, a Medalha do Mérito Legislativo,  pelos relevantes serviços que vem prestando aos longos dos anos na promoção do desenvolvimento da agricultura no Estado.

Anunciou o repasse de recursos no valor de R$ 6,5 milhões para projetos de agricultura familiar em Minas, a maioria deles localizada em municípios do Polígono da Seca. O anúncio foi feito durante reunião do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável de Minas Gerais (CEDRS).

Participou de reunião ordinária do Fórum Nacional de Secretários da Agricultura realizado  na sede da Confederação Nacional da Agricultura, em Brasília, e  propôs  aos Estados a criação de uma frente de defesa da cafeicultura e defendeu a necessidade da liberação de recursos federais para a Defesa Sanitária nos Estados.

Juntamente com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Wilson Brumer, anunciou a decisão do Frigorífico Tamoyo de implantar uma unidade integrada de suinocultura, no município de Monte Santo de Minas, através de investimentos de cerca de R$ 55 milhões, gerando 650 empregos em toda a cadeia produtiva, que inclui a produção e criação de suínos, confinamento de bovinos, fabricação de rações e abatedouro.

Idealizado pela Seapa, o governo de Minas iniciou a distribuição de sementes de algodão no Norte de Minas onde foram distribuídas gratuitamente 108 toneladas de sementes de algodão, beneficiando 3.6 mil produtores de vinte municípios, dentro do Programa de Incentivo à Cultura do Algodão no Norte do Estado.

Presidiu a solenidade do “Dia da Extensão Rural” em comemoração aos 55 anos da Emater-MG, destacando o trabalho desenvolvido pelos extensionistas mineiros dentro do programa do governo Aécio Neves visando à recuperação da economia por intermédio do agronegócio.

Presidiu  a reunião extraordinária do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (CEDRS), onde foram aprovadas as três primeiras propostas de aquisição de imóveis por intermédio do programa Cultivar em Minas. Os três projetos atenderão a 90 famílias e somam R$ 1.200.000 em créditos a serem liberados pelo Banco do Nordeste para pagamento em 20 anos a juros fixos de 6% ao ano e carência de três anos.

Empossou, no  Parque de Exposição Bolivar de Andrade (Gameleira), em Belo Horizonte, os integrantes da Câmara Técnica de Eqüideocultura do Conselho Estadual de Política Agrícola (Cepa). Na mesma ocasião  assinou convênio entre a Seapa e o Banco do Brasil para a realização de projeto ligado a rastreabilidade bovina em Minas Gerais. Participou ainda do  lançamento do Calendário de Eventos Agropecuários do Estado em 2004, editado pelo IMA, no qual se destacava  a 44ª Exposição Estadual de Agropecuária de Minas Gerais, marcando, portanto o retorno da realização desse evento naquele local.

Representou o Governador Aécio Neves, no Ministério da Agricultura, em Brasília, da formalização da reconstituição da Trading Coffee Sul de Minas S/A.

O Ministério de Desenvolvimento Agrário anunciou a liberação de recursos na ordem de  R$ 17 milhões a serem aplicados no Programa Nacional de Apoio à Agricultura Familiar(Pronaf) em Minas Gerais. Os recursos   são provenientes do Pronaf-C para o custeio e  fazem parte  dos  R$ 140 milhões que estavam  sendo pleiteados junto ao governo federal pelo  secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Odelmo Leão,  para atender a demanda de  crédito  dos pequenos agricultores.

Anunciou que pequenos produtores rurais mineiros poderão contar,  em 2004,  com recursos   no valor de R$ 6,5 milhões que serão repassados pelo governo federal para o  Programa  Nacional de Apoio a Agricultura Familiar –  Infra-estrutura.

Criou 10 Câmaras Técnicas com a participação de mais de 200 representantes dos principais segmentos do agronegócio. Essas câmaras são responsáveis pela apresentação de estratégias de apoio aos segmentos da produção de alimentos, que são levadas ao governo do Estado para definir políticas para as atividades do agronegócio. (Roram criadas as seguintes Câmaras Técnias: Bovinocultura de Leite, Bovinocultura de Corte, Grãos, Café, Agrotóxicos, Avicultura, Aquicultura, Seguro e Crédito Rural. Ovino-Caprinocultura e Equideocultura.

Participou em Uberaba,  de solenidade de assinatura de um convênio a para viabilizar  o escoamento da safra recorde nas regiões do Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste do Estado, além da   adequação  das linhas  férreas para o transporte de grãos. Na ocasião foi  anunciada  a ampliação  da capacidade instalada de transbordo nas unidades  da Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais(Casemg), localizadas nos municípios de Araguari, Patrocínio, Uberaba e Uberlândia.

Convênio assinado   entre a Emater-MG e o Banco do Brasil, em seu gabinete, passou a garantir  oficialmente a todos  produtores rurais mineiros  a conjugação de assistência técnica e crédito rural, em toda área de atuação  da empresa  no Estado. Graças ao convênio, com duração de cinco anos,  pequenos, médios e grandes produtores terão acesso ao  crédito rural com maiores facilidades.

Anunciou a criação de uma força-tarefa para desencadear uma ampla  campanha preventiva  em Minas Gerais, começando pela  região do Triângulo Mineiro, para combater a ferrugem asiática que ameaça as lavouras de soja no Estado. Entre os dias 15 de janeiro e 19 de fevereiro participou de palestras seguidas de debate nas cidades de Uberaba, Ituiutaba, Uberlândia, Patos de Minas, Coromandel, Ibiá, Unaí e Santa Juliana.

Participou em Uberlândia, da entrega de equipamentos prevista no  convênio de cooperação técnica e financeira entre o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)  e o Consórcio Capim Branco Energia, para elaboração e execução de serviços destinados ao diagnóstico, monitoramento e  controle da população de morcegos hematófagos na área do Complexo Energético Capim Branco, no Rio Araguari, entre os municípios de Uberlândia e Araguari.

Participou, juntamente com o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues; Anderson Adauto, dos Transportes, em Uberaba, do 1º Fórum de Soja e Milho do Triângulo Mineiro (Supersafra). O evento teve o enfoque voltado para o entendimento das relações mercadológicas, propiciando aos participantes os conhecimentos necessários para atender com agilidade às exigências das demandas nacionais e internacionais da produção de grãos.

Treze anos depois de sucessivos resultados negativos em sua produção agrícola, Minas Gerais tem a confirmação, por intermédio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de que na safra 2003/2004 haverá crescimento de produção, área plantada e produtividade de seus principais produtos. A recuperação da atividade rural mineira está presente também no quadro geral das exportações do agronegócio de janeiro a dezembro de 2003, pois os produtos da agricultura e da agropecuária representam 26,7% dos cem produtos de maior valor colocados pelo Estado no mercado internacional.